Tenha modos cariocas

O Rio de Janeiro é uma cidade que exige máxima educação dos seus habitantes, especialmente daqueles que precisam lidar com serviços. Se você não estudou em Eton ou numa daquelas escolas de etiqueta da Suiça ou mesmo na Socila, vai sofrer até para comprar um picolé. Os cariocas que trabalham com comércio são muito exigentes nas boas maneiras e rigorosos com aqueles que ousam modos rudes.

Na cafeteria a garçonete está conversando com a colega, enquanto uma terceira confere o celular. Espero, educadamente, que terminem suas atividades para me servir o café que paguei há dez minutos. Após mais dez minutos, num rompante de indesculpável grosseria, pergunto se uma delas pode me atender. Quiquié? pergunta a que estava o telefone. Peço o café. Açucar ou adoçante? Responde de costas. Se possível açúcar, por favor. Ela arremessa dois saquinhos no balcão e volta ao telefone. Tomo o meu café o mais rápido possível para não atrapalhar, agradeço as moças, que continuam de costas e vou embora, pensando na indisculpável insolência que cometi ao interromper a conversa. Preciso melhorar.

Nos correios o atendente avisa que o Sedex para São Paulo vai me custar R$ 26,20. Questionar esse valor absurdo seria extremamente deselegante então o correto é apenas assentir e pagar. É o que faço. Entrego um bilhete de cinquenta reais, o que já demonstra uma falta de polidez por não ter o valor exato na minha carteira. O funcionário pede uma nota menor. Me desculpo e entrego uma de vinte e uma de dez. Agora ele pede oitenta centavos para facilitar o troco. Digo que infelizmente não tenho. Ele resmunga e faz expressão de desgosto. Digo que posso pagar com cartão para evitar o transtorno que estou causando. Ele, zangado, diz que máquina não está funcionando. Me entrega como troco com mão cheia de moedas de cinco centavos. Peço desculpas pelo inconveniente de não trazer o valor exato e me retiro constrangido com a minha falta de modos.

No supermercado chego na registradora e dou bom dia. A caixa não responde. Tento mais uma vez, pausadamente, ela também não responde. Será que a minha entonação não está adequada? Estarei falando alto demais para o estabelecimento? Ela, sem olhar para mim, pergunta se eu tenho o cartão do supermercado. Respondo, já pedindo desculpas, que não. Ela continua sem olhar para mim. Será que esse supermercado exige smoking e eu estou de esporte fino? Será que o laço da gravata deveria ser semi windsor e eu estou com um simples? Ao terminar de passar os produtos ela murmura algo como “crédito ou débito” e logo em seguida me manda retirar o cartão. Tudo isso sem olhar na minha direção. Vou embora constrangido com minha aparência, certamente o motivo de tal repulsa. Talvez seja o caso de procurar um personal stylist ou mesmo um cirurgião plástico.

São tantas as dificuldades que enfrento por não estar à altura de garçons, atendentes e vendedores cariocas, os duques, condes e barões dos trópicos, que estou pensando em pedir um estágio no Palácio de Buckingham, um workshop de dignidade e cortesia. Quem sabe a própria Elizabeth ll me ensina o que é necessário para ser bem atendido neste balneário tão sofisticado, distinto e cortês. Afinal, só a Rainha da Inglaterra para receber bom dia de garçom carioca.

One thought on “Tenha modos cariocas

  1. Mariana de Paiva Silva disse:

    Perfeito !

Deixe uma resposta