Mickey, Donald e você

Crise econômica? Vamos para Portugal. Desemprego? Portugal. Violência nas ruas? Portugal. Briga com a namorada? Portugal. Supermercado da esquina só tem Schin? Portugal.

Nos bares, escritórios, redes sociais, a classe média só fala em ir para Portugal. Que, pelo que dizem, é um país pacato, de economia pujante, com empregos sobrando. Vai perder essa oportunidade?

Ao chegar no aeroporto de Lisboa você será recebido com festa e fanfarra. Chegou mais um brasileiro! Viva! Quando disser aos funcionários da imigração que seu propósito é viver e trabalhar nesse simpático e acolhedor país, eles logo lhe darão um abraço apertado e muitos oferecerão a própria casa para você e sua família se hospedarem.

E isso é só o começo.

Ao perceberem que você é brasileiro, todos os portugueses vão sorrir de orelha a orelha. Como os outros europeus, amam os estrangeiros, não é à toa que os partidos de extrema direita são um fracasso por lá. Mas a admiração específica dos lusitanos por nós, brasileiros, sua ex-colônia, é quase paixão. Comovente. Ainda mais agora, que estamos indo em grande número. Ver seu país tomado pelos forasteiros é a grande utopia do português moderno.

Como todos sabem, Portugal é um pais onde se pagam salários altíssimos e com um custo de vida muito baixo. Tirando o salário do imigrante, tudo é uma miséria por lá. De graça. Dado. Pelo preço de um dois quartos minúsculo na Tijuca você aluga uma mansão no melhor bairro de Lisboa. E com a diferença que você vai ganhar muito mais que no Brasil. Você precisa se esforçar muito pra não virar milionário em Portugal.

Por falar em aluguel, ao perceber sua origem o proprietário vai se comportar como se tivesse ganho na loteria. Dá gosto de ver. Alugar para qualquer estrangeiro já é uma honra para um lusitano mas se for brasileiro, aí é que é o próprio nirvana. Nem pense em se preocupar com fiador, depósito ou adiantamento. Um aperto de mão e a questão da moradia está resolvida.

Emprego? Basta sair na rua, você não dará uma volta no quarteirão sem chegar contratado. As empresas portuguesas estão desesperadas atrás de profissionais, de qualquer área, com qualquer formação. Pedreiro? Já no aeroporto arruma umas cinco reformas. Arquiteto? Vai ser disputado a tapa pelos principais escritórios e os trabalhadores nativos se sentirão lisonjeados em lhe ceder o lugar. Serão tantas oportunidades que seu celular não vai parar de tocar, melhor já sair do Brasil com várias baterias extras.

A questão dos transportes é outra maravilha. Como brasileiro, seu lugar natural é no centro, nos melhores bairros, onde você fará tudo a pé. Caso precise se deslocar, terá ônibus, metrô, bonde, todos a sua disposição a qualquer hora e praticamente vazios. Em Portugal, assim como no resto da Europa, não existe esse atraso de subúrbios longínquos, cidades dormitórios, transportes lotados, engarrafamentos. Isso é coisa de terceiro mundo. No primeiro é só conforto, praticidade e vida tranquila.

Como as suas questões de documentos, moradia e emprego serão todas resolvidas no primeiro dia e lembrando que em Portugal ganha-se muito e trabalha-se pouco já no fim de semana seguinte à sua chegada você poderá começar a viajar pelas outras capitais européias, hospedando-se nos melhores hotéis, comendo nos melhores restaurantes e matando os amigos de inveja no Instagram. Afinal, se você está no velho mundo, tem que viver como um legítimo europeu, aproveitando a vida ao máximo.

O importante é lembrar sempre de se identificar como imigrante latino americano para assim ser recebido com sorrisos e portas abertas por todo o continente.

Se você achava que a única solução mágica para todos seus problemas era morar dentro da Disneylândia, estava errado.

Portugal é que é o verdadeiro Magic Kingdom.

É pra lá que vão Mickey, Donald e você.

( Originalmente publicado no Projeto Colabora)

One thought on “Mickey, Donald e você

  1. regina mas disse:

    É mesmo? Então estou indo amanhã… Você está brincando ou isso é verdade?

Deixe uma resposta