S/T

Hoje de manhã fui ao centro da cidade para uma reunião. Quando estava ali pela Senador Dantas fui abordado por um senhor que me perguntou se eu falava espanhol. Respondi que sim e ele começou a contar, em espanhol, uma história bem enrolada e triste, que misturava o consulado argentino, Bahia, Pernambuco e a falta de dinheiro para almoçar. Fiquei com pena.
 
Nasci em Buenos Aires e vim para o Rio com três anos. Mesmo tendo me tornado brasileiro nunca perdi a nacionalidade argentina, então era muita coincidência o sujeito achar, na sorte, um conterrâneo no centro do Rio. Rolou uma empatia que, como sempre me acontece, foi logo substituída por uma desconfiança.
 
E. se ele fosse uruguaio ou boliviano? O sotaque era meio genérico, a aparência também. Podia ser paraguaio, chileno…de qualquer maneira a solidariedade latino-americana falou mais alto e dei vinte reais pro sujeito.
 
Ele olhou o bilhete, olhou para mim e, sem pestanejar, mandou na lata
 
– Você pode me dar mais vinte? Assim almoço no restaurante que eu gosto.
 
Ao menos a desconfiança que tinha sobre a sua nacionalidade desapareceu.

2 thoughts on “S/T

  1. Luiz Jakka disse:

    Perco tudo no mundo mas não perco a pose!!! Provavelmente “porteño”, sin dudas!!!! KKKKKKK

  2. kkkkkkkkkkkkkkk, hilário !!!!!!

Deixe uma resposta