Novos Horizontes

naveComo todos sabem a nave New Horizons acabou de passar por Plutão, depois de 10 anos de viagem e mais de cinco bilhões de km percorridos. O custo da missão foi de dois bilhões de reais. A linha 4 do metro do Rio, por exemplo, tem 16km, ainda não foi concluida e teve, até agora, um custo de 8 bilhões e meio.
Como seria a New Horizons se fosse um projeto do governo brasileiro?

7 set 1996 – O projeto Novos Horizontes é anunciado em cadeia nacional: uma nave brasileira, produzida por um consórcio formado pela Odebrecht, Mendes Júnior e Queiroz Galvão, vai viajar até Plutão. O custo será de 4 bilhões de reais. A previsão do lançamento é em janeiro do ano 2000.

19.jan 2006 – O lançamento da nave é adiado pela quinta vez, agora a pedido do PMDB. A nave seria enviada da base se Alcântara, já existente, mas decidiu-se criar uma nova base, em terras do senador Barbosa, no interior do Mato Grosso. Por conta da mudança de local um aditivo de um bilhão é feito ao projeto. Pelos alegados prejuízos causados às suas terras o senador é indenizado em 2 bilhões.

20 março de 2008 – Apesar de ainda não estar pronto o presidente inaugura o novo pólo de lançamentos espaciais em Mato Grosso, criando também o ministério de Novos Horizontes, que é entregue ao deputado Waldisnei Paranhos, do partido do senador Barbosa. O lançamento é marcado para 2010.

25 de abril de 2011 – A nave Novos Horizontes é lançada. O projeto inicial previa que ela chegaria a Plutão em dez anos mas por um problema de custos ela só vai até Netuno. O projeto já está orçado em dez bilhões.

15 novembro de 2011 – A nave perde comunicação com a Terra. Um jornal descobre que o sistema de rádio, orçado em 500 milhões, foi trocado por um Startac com bateria gasta. Uma revista apura que a linha do celular pertence ao deputado Waldisnei. Este nega, acusa o jornal de golpista e a revista de bolivariana. O senador Barbosa, agora na oposição, exige a renúncia de Waldisnei e a privatização da Novos Horizontes.

17 de novembro de 2011 – Após fulminante campanha de mídia a nave é privatizada. Agora ela é da NH space, de propriedade de Odroaldo Barbosa, o Barbosinha, filho do senador. A operação é toda financiada pelo BNDES. O projeto já está em quinze bilhões, mas Barbosinha promete rever todos os contratos.

10 janeiro de 2012 – Barbosinha alega que a nave está sucateada e exige do governo um empréstimo para poder chegar ao menos até Saturno. A campanha “Saturno é nosso” toma as ruas, bonés verde amarelos com anéis são vendidos aos milhões. O governo injeta vinte bilhões na NH Space e se torna sócio da companhia. A população vibra mas a nave continua em silêncio.

20 fevereiro de 2012 – Uma faxineira esbarra inadvertidamente num controle da base de Mato Grosso e a Novos Horizontes volta a funcionar. O acontecimento é passado à imprensa como o fruto do esforço do departamento de controle espacial, gerenciado pelo irmão do deputado Waldisnei, Waltenor Paranhos.

23 de junho de 2013 – O New York Times publica uma matéria revelando que a nave brasileira não está indo em direção a Saturno, mas sim voltando à Terra. Pressionado, Barbosinha diz que é de propósito, afinal saudade é algo típico do Brasil. A explicação não convence o presidente, que, com apoio da opinião pública, indeniza Barbosinha e reestatiza a nave, que passa a se chamar Nova Novos Horizontes. Waltenor Paranhos é o novo diretor da empreitada. O custo do projeto está em trinta bilhões.

14 de agosto de 2014 – O consórcio de empreiteiras pede um adendo de cinco bilhões para redirecionar a nave. Dois bilhões vão para o diretor Paranhos, dois para que o Senador Barbosa não instaure uma CPI e um bilhão para as empreiteiras, que com cinquenta reais contratam um hacker chinês que põe a Nova Novos Horizontes no caminho.

10 de julho de 2015 – A nave bate em alguma coisa. O presidente pede explicações a Waltenor, que não sabe de nada pois estava de licença remunerada em Paris. O consórcio tenta localizar o hacker chinês mas ele está de castigo no quarto e a mãe não deixa atender o telefone. O presidente, constrangido, pede ajuda à NASA, que redireciona o Telescópio Hubble para saber onde foi parar a nave brasileira.

12 de julho de 2015 – A Nova Novos Horizontes é localizada. Se espatifou num planeta desconhecido, entre Marte e Saturno. A descoberta de um novo corpo celeste enche de orgulho a nação, o novo planeta é batizado como Tupã e garante a reeleição do presidente, que assim justifica os 56 bilhões gastos no projeto. Barbosa é o novo vice presidente e Waldisnei o presidente do Congresso. Waltenor Paranhos recebe o prêmio Nobel

13 de julho de 2015 – O telescópio espacial encontra entre os restos na nave brasileira varias barras de ouro e maços de dólares. O governo tenta abafar mas o fato vaza pelo Wikileaks. É instaurada uma CPI no Congresso nacional. As empreiteiras confessam que o dinheiro era para financiar campanhas políticas de alienígenas, caso fossem encontrados. “Temos que garantir nosso futuro” alegam. A rápida ação do Vice Barbosa e do deputado Waldisnei transforma a CPI em pizza.

15 de julho de 2015 – Barbosinha planeja uma viagem à Tupã, como objetivo secreto de resgatar o ouro e os dólares. “Pela lei de Tupã é de quem chegar primeiro” avisa aos cúmplices. Para não ter que coçar o próprio bolso ele inventa a nave “Emoções”, com design do Romero Britto e transportando a obra completa de Paulo Coelho, conseguindo assim financiamento pela Lei Rouanet. O projeto, com a missão de levar a cultura brasileira pro espaço, é aprovado com louvor.

2 thoughts on “Novos Horizontes

  1. Perfeito subjuntivo sobre o imperfeito indicativo.

  2. regina mas disse:

    Você se superou! Ri muito e como é oportuno seu texto!
    abços e obrigada pelos bons momentos de risada…
    regin@

Deixe uma resposta